quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

OITC - Templo do Caboclo 7 Ondas completando 4 anos!

 E hoje, o alvorecer foi mais lindo. 

Entoando os pontos de Ogun, com o sol nascendo diante de nós, eu e meu marido (Mestre Ygbere), rezamos juntos diante do Congá de nossa casa, agradecendo às Santas Almas do Cruzeiro Divino a bendita oportunidade do Trabalho. Trabalho duro, desejado arduamente, e misericordiosamente concedido por Elas, as Guardiãs da Sabedoria Ancestral. Obrigada!

Obrigada por cada gota de suor derramado, por cada lágrima vertida, por cada noite mal dormida. Tudo simbolizava que nossa tarefa estava sendo cumprida. 

E não paramos nem um minuto sequer. Mesmo com as portas fechadas ao atendimento público, por alguns meses, mantivemos atendimentos semanais individuais, e também o encontro semanal com os filhos da casa responsáveis pela higienização. O Astral sempre nos presenteava com sua presença, fortalecendo nossos propósitos e ânimos. 

Estivemos sempre em atividade. 

Quando pudemos voltar a realizar os ritos mensais, com número de consulentes controlados, que alegria! Alegria reencontrar o trabalho mediúnico com os consulentes e médiuns da casa. Todo cuidado respeitado, olhares felizes e esperançosos no Astral que se apresentava. Quantos problemas solucionados pela sabedoria dessas entidades iluminadas... Ah! Quanta humildade e simplicidade nelas...

Foram tantos desafios.

Quantas portas abertas tivemos. Site, mídias digitais (Facebook, Instagram), revista digital e lives. Não dominávamos esses meios de comunicação, e nem mesmo sabíamos como começar. E pouco a pouco, dia após dia, aprendíamos juntos, misturando inexperiência, medo, ousadia e desejo em progredir. Hoje, estamos mais espertos e ágeis nesse novo mundo.

Quantas angústias e desilusões.

Quatro anos, tantos chegaram, tantos partiram. O Astral tem sua forma de agir, e na maioria das vezes, cegos com somos, enxergamos apenas o agora. E com isso, ficamos entristecidos, magoados e desiludidos. Mas, logo esse mesmo Astral nos chama à responsabilidade e maturidade. E seguimos em frente. Novos chegando, velhos partindo, e desejamos sorte e força nos novos caminhos que se abrem. Entregamos todos nas mãos dos Planos Superiores, e seguimos mais um ano.

Quanto trabalho nos espera!

Ah, se tem algo que não nos falta é trabalho. Quantas almas perdidas no turbilhão da noite dos tempos... quantos cegos ainda persistem no apego do ego, do orgulho, da vaidade, da ambição. Quantos sedentos de poder transgridem as mais simples leis de respeito e amor ao próximo? Quantos ainda choram perdas e dores de passados distantes... E estamos aqui, correndo contra o tempo que urge! Há muitos por acordar. Há muitos a aliviar. Há muitos a ajudar!

Sigamos mais uma ano OITC Templo do Caboclo 7 Ondas!

Que as Santas Almas nos acobertem e permitam, mais uma vez, cumprirmos nossos propósitos.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

OITC - Templo do Caboclo 7 Ondas completa 3 anos de trabalho

E a OITC - Templo do Caboclo 7 Ondas completou 3 anos!

Que alegria!
Quantas vitórias alcançadas, quantas batalhas vencidas dentro de nós mesmos.
E dia após dia nasceu uma casa dedicada ao amparo do próximo, ao consolo das dores do outro, mas antes de tudo, de nós mesmos.
Médium, cura-te primeiro e depois, ajuda a curar o outro! Que sagrada lição.
Obrigada às Santas Almas do Cruzeiro Divino, na Sagrada Corrente Astral de Umbanda, pela oportunidade do trabalho e do crescimento.
Desejo que mais e mais luzes e bênçãos recaiam sob este Templo, para que seja ele fonte esperança e auxilio a todos!




sábado, 9 de janeiro de 2021

TAO

TAO - O caminho da espontaneidade




Na sociedade ocidental, onde tudo é meticulosamente planejado e articulado, onde ficou nossa espontaneidade? Afinal, o que deseja nos dizer essa escola milenar de pensamento, que tanto iluminou o Oriente, e que aos poucos vem angariando adeptos fervorosos no Ocidente, inspirando filósofos e teólogos?


O TAO é identificado como o Absoluto, gerou o Yin e o Yang, os opostos, e ao mesmo tempo complementares, que formam todas as coisas que compõem o Universo.

À semelhança do Hinduísmo e do Budismo, o Taoísmo se interessa pela sabedoria intuitiva, e não pelo conhecimento racional. É um caminho de libertação do mundo, compreendendo e respeitando a profunda sabedoria que guiou a espécie até aqui.

Então, como foi que chegamos ao tão intenso desequilíbrio com o TAO? Onde foi que o Ocidente se perdeu? Haverá meio de retornar a esse equilíbrio?

Somente a união entre Ciência, Arte, Filosofia e Religião num mesmo ideal garantirá o equilibrio cósmico. Portanto, os quatro pilares do conhecimento humano, que separados geraram desarmonia, juntos mostrarão o caminho da Harmonia. Esse é o caminho da Síntese. Comecemos pela Ciência.

Na Medicina Tradicional Chinesa, toda doença é sinal de desarmonia entre o Yin e o Yang. O equilibrio do corpo é mantido pelo fluxo equilibrado do Qi (energia) dentro do meridianos. E a acupuntura serve para tratar esses desequilíbrios. Também são utilizados técnicas de meditação (tai chi chuan, Lian gong, Chi Kun) e massagem (tui ná, do in) como fonte de terapia. A fitoterapia e a dietoterapia ainda sãos os principais recursos da Medicina Tradicional Chinesa. A medicina curativa na China é considerada uma falência da medicina preventiva, uma derrota do médico.

Enfim, fitoterapia, dietoterapia, meditação e acupuntura são os principais recursos utilizados pela sociedade chinesa há mais de 5 mil anos, e ao contrário do que poderíamos esperar, ela está cada dia mais numerosa e poderosa.

Então, se tal conhecimento permitiu a sobrevivência e a manutenção desta sociedade, onde o conhecimento Ocidental chegou a mais ou menos 70 anos, o que nos pode ensinar essa cultura fabulosa? Por que nos desenvolvemos em polo tão oposto? Estaríamos aí também confirmando a teoria do Yin e Yang?

Vejamos o que ocorreu conosco...

Até pouco tempo atrás, o conhecimento Ocidental era unificado e integrado à vida prática. Arte, Filosofia, Ciência e Religião eram pilares de um conhecimento único, confundindo-se, misturando-se, sem cisões ou limites rígidos e bem definidos. Basta estudarmos algumas culturas antigas, para descobrirmos que índios, hindus e até mesmo orientais tinham uma visão mais ampla da vida. Para eles tudo era interdependente, como uma rede de relações. Até aí, tudo igual.

A partir do Iluminismo, a Ciência deixou gradativamente de ser Arte, e também Filosofia, mas principalmente, Religião. O conhecimento tornou-se fragmentado (Descartes). A Medicina, considerada a Arte de Curar, Sacerdócio de Abnegação e Caridade, rompeu bruscamente com a Sabedoria Antiga, dando início a uma era de experimentação científica e tecnológica, relegando ao descaso tudo que havia sido falado e praticado. Olha-se agora para um corpo doente, buscando culpados e soluções rápidas e fáceis para eles. Primeiro, os miasmas, depois os fungos, bactérias, vírus e agentes externos. Agora, a genética determinista e irremediável! A interação de Genética, Meio e Sistema Imunológico formam a teoria de adoecimento mais aceita atualmente. Surge então a Indústria Farmacêutica, poderosa, milionária, capaz de convencer a todos que, para qualquer coisa há uma pílula milagrosa, que curará sem grandes dificuldades e sem exigir grandes sacrifícios. Fácil, cômodo e banal.

A Medicina passou a cuidar da doença e não do doente. O médico, que antes representava um papel de profundo respeito e confiança, passou a ser visto como frio, calculista, e até cruel... incapaz de sequer ouvir o paciente, com o tempo reduzido ao insuficiente para sua consulta, irritado com o excesso de trabalho, e a má remuneração, destruiu voluntária ou involuntariamente a sagrada relação médico-paciente. E a Arte, Filosofia e Religião??? A grande maioria dos médicos sequer tem a coragem de abordar tais assuntos, e se vê constrangida ao falar de fé em seus consultórios, como se fosse assunto proibido pelo decreto Placebo.

O que ocorreu?

Esqueceu-se que a Medicina tem aproximadamente 250.000 anos, o mesmo tempo que o Homo sapiens surgiu na Terra. E que a Ciência praticada no Ocidente tem apenas 300 anos...

A Medicina sempre foi praticada, seja por pajés, sacerdotes, feiticeiros, filósofos, benzedeiros...
curiosos que se dedicavam ao aprendizado, e apesar disso, em toda sua história, ela usufruiu de grande prestígio e respeito. Um misto de temor e admiração acompanhava àquele que se aventurasse no aprendizado dessa Arte.

Quais interesses são tão fortes assim, capazes de perverter uma história tão bela e magnífica como a da Medicina? Apenas um, dinheiro. Ainda as trinta moedas de prata que compraram o solo de sangue.

Tudo parece perdido? Não. É apenas a força portentosa do TAO em ação!

Novamente o TAO se mostra, e brotam por todo lado novas correntes de pensamento, que começam a invadir os meios universitários, despertando a curiosidade e o interesse de renomados professores. A Acupuntura e a Homeopatia são apenas os mais importantes exemplos de técnicas que anteriormente eram desprezadas, e que agora adquiriram respeito e reconhecimento das entidades médicas e da sociedade. A Fitoterapia, embora sempre perseguida
pela Indústria Farmacêutica, insiste em permanecer na cultura de todos os povos, e a suscitar a curiosidade e pesquisas da própria indústria! Ainda bem.

Ainda que diferentes, a Medicina Ocidental e a Oriental mostraram na teoria do TAO serem polos de um mesmo caminho. Parecem incompatíveis? Isso é mera ilusão. Próton e elétron, embora com cargas elétricas diferentes, juntas formam um átomo; um sem o outro são apenas partículas dispersas no Universo do microcosmo.

sábado, 2 de janeiro de 2021

Revista Umbanda Iniciática ! Vale a pena a leitura.

https://www.umbandainiciatica.com.br/wp-content/uploads/2020/12/Revista-Umbanda-Iniciatica-Dezembro-2020_v4.pdf


Temas abordados:
- O Templo fala ao discípulo - Mestre Ygbere

- A Doutrina do Triplice Caminho

- O Som e o Número

- Kabala e a Doutrina Yantrica

- Equilibrio vegeto-magnético

- A Era Axial

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

O ano em que o terreiro parou!




O ANO EM QUE O TERREIRO PAROU:
Você médium que se afastou da Umbanda.
Neste tempo de pandemia ouvi diversos relatos de irmãos...
Que durante a quarentena abandonaram a Umbanda...
Sim, isso mesmo !!!
Talvez a falta de rotina já que os terreiros estão fechados...
Sem giras e sem poderem trabalhar...
Por um período de tempo tão grande...
Fez com que muitos perdessem o prazer de continuar na Umbanda...
De estar em comunhão com a sua espiritualidade...
Sentem suas entidades distantes...
Começam a ter dificuldades de comunicação...
Confesso não me surpreender com esses relatos...
Pois sempre falei que médium firme...
E comprometido com a Umbanda...
Balança, mas nunca cai...
E por maior que seja a provação...
Jamais abandonará a Umbanda por motivo algum...
Sabemos que todos estamos passando por provações difíceis...
Esse ano de 2020 foi um ano por si só muito complicado...
Mas estou certo que a chama da fé não pode se apagar...
Sei que muita gente tá vivendo dificuldades financeiras e materiais...
E lutando contra a frieza espiritual que se alastrou em muitos...
O medo, a sensação de um vazio que toma conta...
O choro sem motivo, a impressão de abandono...
Mas não desista !!!
Clame a espiritualidade que lhe fortaleça...
Humilde, ajoelhe-se e peça ajuda ao Pai Maior...
Aos Orixás e entidades com fé...
Para que lhe façam suportar um pouco mais as adversidades da vida...
Se necessário arrependimento, arrependa-se...
Mas não deixe a chama da fé se apagar...
Nossas mais íntimas e profundas experiências espirituais...
Ocorrem nos dias mais difíceis de nossas vidas...
Não se curve ao medo, a falta de fé, tristeza, e descrença...
Se hoje está ruim, amanhã estará melhor...
Acredite, lute, confie e não desista...
Você pode, você consegue !!!
"O primeiro a chegar acenda a vela"...
🕯
Saravá Fraterno !!!
Fonte: Pai Jonathas
Terreiro de Umbanda Caboclo Pena Branca.
Vindo de Stephanie Lucio

Postagem em destaque

A importância do Ponto de Referência

O ÂNGULO QUE VOCÊ ESTÁ, MUDA A REALIDADE QUE VOCÊ VÊ Joelma Silva Aprender a modificar os nossos "pontos de vista" é u...