"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica - poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias. " Deepak Chopra

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Religião e Espiritualidade: diferenças essenciais

Religião e Espiritualidade parecem a mesma coisa, ou que são próximas. Mas na realidade, elas podem até serem completamente antagônicas.
Essas 26 frases de autor desconhecido nos dá uma visão bem interessante entre religião e espiritualidade.
E o que inspirou nossa capa foi o texto que também amamos

Buda não era Budista,
Jesus não era Cristão,
Krishna não era Vaishnava,
Maomé não era Islamita,
Eles eram professores que ensinavam AMOR.

AMOR era a religião de cada UM.














https://osegredo.com.br/2015/12/26-frases-impactantes-que-mostram-a-diferenca-entre-religiao-e-espiritualidade/

A Lua e os Ciclos da Terra




Observar a LUA ajuda a marcar, através de seus ciclos, etapas de plantio, cultivo e colheita.

Lua NOVA :: Semeadura / plantio de tudo o que cresce acima da terra. Corte de bambu para a construção. Colheita e plantio de raízes, tubérculos, rizomas e bulbos. PODAS gerais para a produção de matéria seca.

Lua CRESCENTE :: A seiva sobe para as folhas, concentrando nos talos e ramos. Plantio de tudo oque cresce acima da terra (ex: tomate, laranja, alface, milho, soja etc). Colheita de folhas (medicinais) e, pouco antes da lua cheia, colheita de cereais. PODAS com maior produção de biomassa para adubo verde. Final da crescente: corte de madeira para lenha.

Lua CHEIA :: Seiva nas folhas - maior luminosidade lunar. Colheita de flores, frutos e folhas. Plantio de flores, frutos e folhas. Deve-se evitar mexer muito nas plantas, limitando-se a retirar folhas secas e galhos. PODAS com maior produção de biomassa para adubo verde. Perto da lua cheia, as plantas estão com seus aromas potencializados, atraindo animais.

Lua MINGUANTE :: A seiva desce para as raízes. Ideal para plantio / semeadura de tudo o que cresce abaixo da terra (ex: alho, cenoura, cebola, mandioca, batata, rabanete etc). Podas / corte de árvores e bambus. Pouco antes da lua nova, ideal para colheita de sementes. Dê preferência para intercalar adubações de 15 em 15 dias, sendo uma durante o último quarto minguante.

Fonte: www.TudoSobrePlantas.com.br/default.asp#lua

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Somos todos Mãe Corina - Pela Liberdade Religiosa!


Imagine o quão violento é para uma sacerdotisa de quase 90 anos ter seu terreiro interrompido por quem deveria proteger seu direito de fé.
Um dos templos de umbanda mais antigo de Diadema, o Terreiro Vó Maria de Aruanda, fundado e conduzido por Mãe Corina, tem vivido dias assustadores desde o último 14 de janeiro, quando a festividade foi interrompida pela guarda municipal que ao invadir o terreiro ordenou que fossem encerrada a cerimônia, por volta das 21h. A rua foi tomada por viaturas que adentraram o pequeno terreiro, na região central da cidade, alegando que o templo infringia a , popularmente conhecida, lei do psiu.
"Eles não deixaram a gente tocar, anotaram todos as placas de carros para dar multa. Falaram que a gente estava tocando acima do decibéis e que a houve denúncias". Explicou Dani Amorim, filha de santo da casa que completou: "Minha avó tomou um grande susto, porque a gente estava no meio da festa, os orixás 'em terra', e as pessoas tiveram que sair correndo..."
Há mais de 60 anos, Mãe Corina mantém suas portas abertas para a prática da umbanda sagrada. Conhecida e respeitada por toda comunidade do entorno e pelas centenas de terreiros de Diadema, aos 86 anos de idade, a mãe de santo se assustou com a forma violenta e arbitrária com que a guarda municipal exigia o silenciamento de seus atabaques. Recentemente, ela atravessou um grave problema de saúde, ficando impossibilitada de andar por quase um ano, a melhora aconteceu graças à Iemanjá, seu orixá e aos guias de luz do terreiro.
"Eu também estou com medo porque ontem (30/01) nós estávamos decorando o terreiro, em silêncio, em respeito aos orixás. A gente vai fazer a festa de Iemanjá em agradecimento a saúde da minha avó. Minha avó ficou um ano sem andar, e hoje ela já está andando e 'trabalhando' com o caboclo dela, mas ontem parou GCM na frente da nossa casa de santo, e ficaram anotando um monte de coisas. Eu me senti ameaçada, porque eu precisava ir embora por volta da meia noite e dá medo de sair na rua de branco". contou Dani Amorim
Em tom de ameaça, os guardas municipais são enfáticos ao dizerem que o problema é com o barulho dos tambores do Terreiro de Vó Maria de Aruanda e qualquer que seja o horário, se os tambores tocarem e a vizinhança acionar a GCM, o culto será interrompido, o que explicita que a atuação do município é descaradamente intolerância religiosa, uma vez que não há sequer relato de outros seguimentos terem suas práticas interrompidas por, por exemplo utilizarem microfones e aparelhos de som durante seus ritos de pregação e cantos de louvores.
Ao saber do ocorrido, membros de diversos movimentos pró-direitos de fé dos povos de terreiros se colocaram indignados e prontos para a luta contra os abusos intolerantes protagonizados pela segurança pública da cidade, Cássio Ribeiro, presidente da FUCABRAD - Federação de Umbanda e Cultos Afro-Brasileiros de Diadema, publicou nota em seu perfil das redes sociais e questionou: "Até quando uma senhora tão cheia de amor, ternura e de fé, será constrangida e perseguida? A GCM faria isso em um culto evangélico? Colaria um pastor sob a mira de armas?"
Josa Queiroz, membro da FUCABRAD e vereador em Diadema, convocou o comando da GCM de Diadema para uma audiência pública a fim de propor um dialogo entre a prefeitura e o povo de terreiro da cidade para que sejam respeitados e não tenha o direito de expressão de fé cerceado pelo município. O ato acontecerá na próxima terça-feira, 07/02 às 17h, na Câmara Municipal de Diadema.
É de extrema importância que a prefeitura de município se coloque diante do ocorrido e garanta o exercício de fé da comunidade vitimada pela intolerância institucionalizada. Diadema é uma cidade de tradição, conhecida nacionalmente pela sua atuação no enfrentamento a intolerância religiosa, onde o saudoso Toy Francelino de Xapanã protagonizou e impulsionou grandes feitos pelos direitos dos povos de terreiro, tornando-se referência na luta.
A atuação da GCM revela Diadema como uma cidade intoleranteque regride a tempos de silenciamento e marginalização das práticas religiosas afro-brasileiras. Uma cidade que ao invés de proteger, permite que sua guarda municipal agrida a moral de uma sacerdotisa de quase 90 anos de idade e que há 60 atende a comunidade com cuidados religiosos e ações comunitárias como entrega de alimentos, entre outras. É inadmissível que a quarta cidade mais negra do país não respeite a herança africana em sua terra, e não consiga aprender com griots como Mãe Corina a importância de se respeitar as diferenças e garantir a boa convivência em sociedade. 
Texto e Fotos: Roger Cipó © Olhar de um Cipó - Todos os Direitos Reservados / All Copyrights Reserved


quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

2017 - Inicio de um ciclo de 36 anos para a Humanidade

Mandala feita por Rose Vilanova

A vida acontece em ciclos; dia/noite/dia; primavera/verão/outono/inverno/primavera; lua nova/crescente/cheia/minguante/nova.... Tudo na vida tem um começo meio e fim para novamente começar.

Para a Astrologia o mundo é governado, de 36 em 36 anos, por um planeta (Sol e Lua inclusos). 

De 1981 a 2016 estivemos sob o domínio do Sol, agora, em 2017 entraremos em um ciclo regido por Saturno.

Recapitulando um pouquinho, nesse período do Sol, sem sombra de dúvidas vivemos tempos de centralidade e individualidade, foram tempos em que terapias de autoconhecimento explodiram em número e procura. O Sol tem a ver com a criança e as terapias de apelo ao resgate da nossa criança interior foram bastante valorizadas. Se quiser saber mais sobre esse período, recomendo a leitura do artigo:  2016 - UM ANO DE TÉRMINOS
Em termos mais políticos e sociais, o Sol significa os líderes e os governantes e creio que a morte de Fidel Castro no último ano do ciclo do Sol é bastante simbólica no que diz respeito ao culto a um governante. Nessa esteira, podemos dizer que nesse período muitos líderes carismáticos e populistas tiveram seu apogeu o que, agora, com o fim do ciclo do Sol, podemos também assistir às suas quedas.

 O culto narcísico à pessoa irá aos poucos dando lugar a uma mentalidade de mais reserva, responsabilidade pelos atos praticados e maior autocrítica. O Sol, como centro do sistema representa mais exposição, porém sem tanto critério. É mais o aparecer pelo aparecer e não necessariamente por qualidades excepcionais. Não estou com isso querendo dizer que todas as pessoas que brilharam nesse período são inconsistentes e de pouco valor moral, intelectual e artístico, mas que muito joio veio junto com o trigo isso é indiscutível. São aquelas pessoas que têm fama rapidamente, mas também caem no esquecimento em pouco tempo. Podemos dizer que foi um período onde os falsos valores obtiveram seu lugar na ribalta e por isso pouco tempo duraram. Os tais quinze minutos de fama.

O último período de Saturno, vivido pela humanidade aconteceu entre de 1765 a 1800; época marcada pelo surgimento de grandes pensadores, reconhecimento da ciência e também por muitas revoluções e revoltas populares contra o sistema de governo de seus países. Sim, Saturno significa as estruturas estabelecidas e sólidas e por isso, os sistemas de governo. Já estamos percebendo isso acontecer pois sempre um ciclo que está por vir já mostra seus sinais no final do ciclo anterior.

Portanto, podemos esperar nesse período muitos questionamentos sobre os sistemas de governo e de mando. Estruturas serão questionadas. Inventaremos um novo modelo de governança, que substitua os atuais? Não é nada difícil de que isso aconteça.

No ciclo que se inicia a humanidade perceberá que a busca da felicidade através da realização do ego e seus desejos infantis - vivida nos 36 anos sob o domínio do Sol - não nos fez mais felizes  (talvez até nos tenha tornado mais infelizes). Assim, em oposição ao excesso, buscaremos a contenção, a obediência a uma sabedoria superior, mais sublime, mais espirital, que possa nos trazer mais maturidade e responsabilidade coletiva.
Austeridade, compromisso, responsabilidade, obediência às regras, limites, frugalidade, renúncia e seriedade são as prerrogativas de Saturno.

No período do Sol a criança teve seu auge de valorização, agora serão os velhos que serão mais valorizados, não apenas os velhos humanos, mas também os velhos costumes, conceitos e a sabedoria antiga. Sim, o sentimento de que aquilo que é moderno (o que vem depois) é sempre melhor do que o que passou tende a ser questionado e, provavelmente, nos voltemos para o passado e para aquilo que deu certo para ser retomado, ou errado, para não se repetir o erro.

Nós que estamos acostumados a maior liberdade de autoafirmação poderemos ficar apavorados com aquilo que está por vir mas, verdadeiramente, não é o caso. Na roda da vida o excesso sempre vem sucedido pela contenção eliminando aquilo que foi prejudicial. “A quantidade estraga a qualidade.”

Mas, afinal, como será 2017? Aí depende. Para aqueles que esperam mais responsabilidade, mais amadurecimento da humanidade, menos individualismo e mais austeridade será um bom ano. Para os mais, digamos, mimados pela sorte, pode ser um ano não tão bom pois muita maturidade lhes será exigida.


Dentro do período de trinta e seis anos, cada ano é sub-regido por um planeta específico, no caso de 2017, início de ciclo, o ano será sub-regido também por Saturno, portanto um ano bastante saturnino, de muita austeridade e até de punição dos excessos e de regras enérgicas de contenção de desmandos.

Na tabela abaixo, o período de Saturno e os anos sub-regidos pelos planetas (Sol e Lua inclusos)




https://astrologiaearte.blogspot.com.br/2016/12/a-vida-acontece-em-ciclos-dianoitedia.html