"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica - poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias. " Deepak Chopra

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

2017 - Inicio de um ciclo de 36 anos para a Humanidade

Mandala feita por Rose Vilanova

A vida acontece em ciclos; dia/noite/dia; primavera/verão/outono/inverno/primavera; lua nova/crescente/cheia/minguante/nova.... Tudo na vida tem um começo meio e fim para novamente começar.

Para a Astrologia o mundo é governado, de 36 em 36 anos, por um planeta (Sol e Lua inclusos). 

De 1981 a 2016 estivemos sob o domínio do Sol, agora, em 2017 entraremos em um ciclo regido por Saturno.

Recapitulando um pouquinho, nesse período do Sol, sem sombra de dúvidas vivemos tempos de centralidade e individualidade, foram tempos em que terapias de autoconhecimento explodiram em número e procura. O Sol tem a ver com a criança e as terapias de apelo ao resgate da nossa criança interior foram bastante valorizadas. Se quiser saber mais sobre esse período, recomendo a leitura do artigo:  2016 - UM ANO DE TÉRMINOS
Em termos mais políticos e sociais, o Sol significa os líderes e os governantes e creio que a morte de Fidel Castro no último ano do ciclo do Sol é bastante simbólica no que diz respeito ao culto a um governante. Nessa esteira, podemos dizer que nesse período muitos líderes carismáticos e populistas tiveram seu apogeu o que, agora, com o fim do ciclo do Sol, podemos também assistir às suas quedas.

 O culto narcísico à pessoa irá aos poucos dando lugar a uma mentalidade de mais reserva, responsabilidade pelos atos praticados e maior autocrítica. O Sol, como centro do sistema representa mais exposição, porém sem tanto critério. É mais o aparecer pelo aparecer e não necessariamente por qualidades excepcionais. Não estou com isso querendo dizer que todas as pessoas que brilharam nesse período são inconsistentes e de pouco valor moral, intelectual e artístico, mas que muito joio veio junto com o trigo isso é indiscutível. São aquelas pessoas que têm fama rapidamente, mas também caem no esquecimento em pouco tempo. Podemos dizer que foi um período onde os falsos valores obtiveram seu lugar na ribalta e por isso pouco tempo duraram. Os tais quinze minutos de fama.

O último período de Saturno, vivido pela humanidade aconteceu entre de 1765 a 1800; época marcada pelo surgimento de grandes pensadores, reconhecimento da ciência e também por muitas revoluções e revoltas populares contra o sistema de governo de seus países. Sim, Saturno significa as estruturas estabelecidas e sólidas e por isso, os sistemas de governo. Já estamos percebendo isso acontecer pois sempre um ciclo que está por vir já mostra seus sinais no final do ciclo anterior.

Portanto, podemos esperar nesse período muitos questionamentos sobre os sistemas de governo e de mando. Estruturas serão questionadas. Inventaremos um novo modelo de governança, que substitua os atuais? Não é nada difícil de que isso aconteça.

No ciclo que se inicia a humanidade perceberá que a busca da felicidade através da realização do ego e seus desejos infantis - vivida nos 36 anos sob o domínio do Sol - não nos fez mais felizes  (talvez até nos tenha tornado mais infelizes). Assim, em oposição ao excesso, buscaremos a contenção, a obediência a uma sabedoria superior, mais sublime, mais espirital, que possa nos trazer mais maturidade e responsabilidade coletiva.
Austeridade, compromisso, responsabilidade, obediência às regras, limites, frugalidade, renúncia e seriedade são as prerrogativas de Saturno.

No período do Sol a criança teve seu auge de valorização, agora serão os velhos que serão mais valorizados, não apenas os velhos humanos, mas também os velhos costumes, conceitos e a sabedoria antiga. Sim, o sentimento de que aquilo que é moderno (o que vem depois) é sempre melhor do que o que passou tende a ser questionado e, provavelmente, nos voltemos para o passado e para aquilo que deu certo para ser retomado, ou errado, para não se repetir o erro.

Nós que estamos acostumados a maior liberdade de autoafirmação poderemos ficar apavorados com aquilo que está por vir mas, verdadeiramente, não é o caso. Na roda da vida o excesso sempre vem sucedido pela contenção eliminando aquilo que foi prejudicial. “A quantidade estraga a qualidade.”

Mas, afinal, como será 2017? Aí depende. Para aqueles que esperam mais responsabilidade, mais amadurecimento da humanidade, menos individualismo e mais austeridade será um bom ano. Para os mais, digamos, mimados pela sorte, pode ser um ano não tão bom pois muita maturidade lhes será exigida.


Dentro do período de trinta e seis anos, cada ano é sub-regido por um planeta específico, no caso de 2017, início de ciclo, o ano será sub-regido também por Saturno, portanto um ano bastante saturnino, de muita austeridade e até de punição dos excessos e de regras enérgicas de contenção de desmandos.

Na tabela abaixo, o período de Saturno e os anos sub-regidos pelos planetas (Sol e Lua inclusos)




https://astrologiaearte.blogspot.com.br/2016/12/a-vida-acontece-em-ciclos-dianoitedia.html

sábado, 12 de novembro de 2016

2016 - Um ano de términos - Fim de um ciclo de 36 anos


Segundo a tradição astrológica, cuja origem se perde no tempo, um determinado astro governa por um período de 36 anos. Isto significa que de 36 em 36 anos vivemos sob a dinâmica de um planeta ou estrela e suas características irão imprimir seu tom por todo aquele período.
Desde 1981 estamos sob o domínio do Sol, o que significa que o espírito de brilho pessoal, egocentrismo, necessidade de marcar a individualidade no mundo têm permeado nossas consciências. Esse período tem seu término em 2016.
2016 é um ano importantíssimo, pois além de encerrar todo um ciclo planetário, pela numerologia, é um ano nove, número que também indica final de ciclo.
Todos os finais de ciclo vem acompanhados de perdas e renúncias. Nos últimos 36 anos, pudemos ver o individualismo (Sol) crescer a proporções exponenciais. Creio que nunca antes ouvimos tanto a palavra EU. Meus direitos, minhas escolhas, meus desejos, minhas necessidades… eu, eu, eu, meu, meu, meu. Tudo parece que girou em volta do indivíduo, com ou sem razão para tal. As selfies publicadas em redes sociais é o exemplo mais pronto e acabado desse símbolo do egocentrismo que nos tem permeado.

O Sol tem a ver com a criança e, por conseguinte, com a “criança interior” de cada um, que não por acaso tem sido explorada e trabalhada em uma gama de teorias do autoconhecimento. Também, nunca a criança foi tão valorizada quanto nos últimos tempos, tudo é feito por e para as crianças até o limite do mimo exagerado e a incapacidade dos pais de colocarem limites aos filhos. Dormem a hora que querem, e podem quase tudo, interferindo de maneira questionável no mundo dos pais e dos adultos ao redor.
Para que possam entender o que tem acontecido ao zeitgheist dos últimos trinta e seis anos é interessante conhecermos os atributos do Sol, na astrologia.
Qualidades solares: vontade, decisão, propósito, intenção, criação. O modo de exprimir a energia criativa, a identidade própria, necessidade de ser reconhecido, de canalizar a sua vontade e a afirmação do Eu. O impulso de criar, de ser, de poder, de comandar, de ser consciente. É o senso de individualidade, de irradiação, é a nossa intenção.
Expressões negativas das qualidades solares: orgulho, ostentação, dominação, abuso de poder, egotismo, elogio exagerado a si mesmo, exaltação pessoal, esnobismo, presunção, ambição exagerada, prepotência, autoritarismo, orgulho.
As expressões negativas acontecem sempre que as qualidades intrínsecas do planeta extrapolam os limites. No caso do Sol, podemos dizer que o resumo da expressão negativa solar é o que os gregos chamavam de hübris, que significa; a arrogância perante os deuses.
O Sol é o centro do nosso sistema planetário. Ele dá a vida, mas também queima e cega. Todo excesso é destrutivo. Por estarmos há trinta e seis anos “treinando” nosso Sol pessoal, estamos no auge da necessidade de sermos o centro das atenções. Viramos mesmo, criancinhas muito mimadas e tudo nos ofende e nos convida a lutar por nossos “direitos individuais”. Em 2017 chega Saturno e começa a colocar os limites e veremos um movimento radicalmente oposto às características solares; a dissolução do ego. Entraremos em um período de menos ego e mais responsabilidade. Rigor, severidade, responsabilidade, justeza, dentre outros atributos são de domínio do planeta Saturno, a obrigação de ser feliz, de ser o cara, de se destacar por qualquer coisa estará em baixa para dar lugar a mais seriedade, mais competência, e menos egolatria. Para ganhar fama e destaque muito terá que se trabalhar.
Esse tempo em que vale qualquer coisa desde que se “apareça na fita” dará lugar a mais responsabilidade e rigor nos feitos, mais seriedade e amadurecimento nos atos.
O Deus de amor e bondade, que está sempre pronto para atender o desejo dos seus filhos, dará lugar a um Deus mais exigente, que pedirá de seus filhos não mais orações arrebatadas, mas filhos mais maduros e responsáveis por seu amadurecimento espiritual. Mais trabalho e menos oba oba. O Deus que dá será substituído pelo Deus que cobra. As religiões evangélicas (as que mais vendem esse Deus que serve aos que nele creem) cairão em declínio ou, mudarão o discurso.
2016, como foi dito é um ano chave, no sentido literal da palavra: fecha e abre portas. Tanto por sua característica astrológica quanto numerológica. Será um ano em que as características solares, elencadas acima serão vividas à exaustão – é, além do mais, um ano governado pelo Sol – e, portanto, as características negativas do símbolo estarão mais exacerbadas para então sermos “castigados pelos deuses por nossa hübrys” e então nos recolhermos à nossa insignificância e pararmos com essa banalidade vaidosa e vulgar do culto à persona.

Em 2016 seremos desafiados a nos desapegarmos de tudo aquilo que na verdade não tem consistência para então vivermos o próximo período, sob Saturno. Será um ano muito duro, de muito teste aos governantes vaidosos e centralizadores. Lhes será exigido mais respeito, seriedade, responsabilidade e talvez uma volta ao conservadorismo possa acontecer. Saturno é o velho, a tradição, o passado.

A farra do vale tudo, desde que se tenha 15 minutos de fama, a partir de 2016 vai aos poucos se acabando. A tal arte contemporânea que teve sua máxima representação no círculo de “humanos” metendo o dedo no fiofó do parceiro da frente dará lugar a uma arte mais fina, mais rigorosa, mais séria e competente.

Até para mim, que escrevo esses prognósticos, me custa acreditar que esse comportamento está nos seus estertores. Me custa crer que essa egoidolatria possa se modificar, mas aguardemos… somos muito pequenos para racionalizar os desígnios dos tempos.

Claro que o ciclo solar não teve apenas as características negativas do planeta. Nos desenvolvemos como indivíduos, conquistamos muitas coisas no aspecto pessoal, aprendemos a nos valorizar mais como pessoas, independentemente da cor da pele, da raça, do sexo e do lugar pessoal na escala social. Aprendemos a cuidar mais e melhor de nós mesmos e a nos respeitar mais como indivíduos, a não engolir sapo por lebre, a nos posicionarmos mais pelo que somos e somos capazes de ser e de criar.
Porém estamos prestes a entrar na fase de menos ego e mais rigor.
Para entendermos o ciclo que iniciaremos a partir de 2017, é preciso conhecer as características de Saturno:
Qualidades saturninas: perseverança, paciência, firmeza, constância, resignação, segurança, solidão. O valor mais alto, a função social, o dever. Responsabilidade, reserva, experiência, seriedade, limitação, restrição, parcimônia, abnegação, o esforço contínuo, a construção, o envelhecimento, o esforço disciplinado, a aceitação dos deveres e das responsabilidades, a cristalização, a sabedoria e o respeito.
Expressões Negativas das qualidades saturninas: limitação, severidade, frieza, depressão, dogmatismo. Sombrio, temeroso, avaro, pessimista, cético, melancólico, exigente, indiferente, impotente, reservado, covarde, lento, pesado, restritivo.
O novo ciclo que se inicia a partir de 2017 sem dúvida nenhuma trará mais contenção, mais limitações, menos abundância, menos superficialidade e mais profundidade. Menos exuberância e mais limitações. Porém, para quem viveu à exaustão o ciclo do faço o que quero doa a quem doer, creio que teremos anos de não posso tudo o que quero, pois, minha liberdade termina onde começa a do outro. Isso é Saturno: o limite.
Que ele venha e que seja bem-vindo.

Por: Rose Villanova
Via: astrologiaearte.blogspot.com.br


Flower of life

The Musical Spiral of Frequency, Color, and Light, 432 hz


quinta-feira, 29 de setembro de 2016

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

As 7 leis de Hermes Trimigesto


Paz


Nunca como nestes últimos dias, precisamos tanto dela.
Paz de verdade.
A Paz que reflete os valores humanitários, o respeito ao próximo, a igualdade de direitos, a serenidade dos princípios éticos. 
Todos estão cansados de discursos vazios, de retórica e ilusões. O resultado disso tudo é o que temos hoje, um mundo cheio de contrastes, violência e conflitos.
Se esse é um momento decisivo para o mundo, que o vivamos de forma plena e que possamos depurar tudo o que ainda nos prende à miséria humana.
Alcemos vôos maiores, e atinjamos os nobres objetivos trazidos pelas Santas Almas do Cruzeiro Divino.


terça-feira, 12 de julho de 2016

A magia do Som

Solfeggio 852 Hz



Solfeggio 963 Hz

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Escala de afinação 440 Hz e 432 Hz

A maioria das músicas em todo o mundo foi afinada para 440 Hz desde que a Organização Internacional de Normalização (ISO) endossou a mudança em 1953. As redescobertas recentes da natureza vibratória/oscilante do universo indicam que este padrão internacional contemporâneo pode gerar um efeito insalubre ou anti-comportamental social na consciência dos seres humanos.


A= 432 Hz, conhecido como de Verdi 'A' é uma afinação alternativa que seja matematicamente consistente com o universo. Música baseada em 432 Hz transmite energia de cura benéfica, por que é um tom puro de matemática fundamental para a natureza. Há uma teoria de que a mudança de 432 Hz a 440 Hz foi ditada pelo ministro da propaganda nazista, Joseph Goebbels. Ele a usou para fazer as pessoas pensarem e sentirem de uma certa maneira, e para torná-las prisioneiras de uma certa consciência. Em seguida, por volta de 1940 os EUA introduziram 440 Hz em todo o mundo, e, finalmente, em 1953, tornou-se o 16-padrão ISO.

 O que é 440 Hz?

440 Hz é a freqüência de sintonia padrão não natural, removendo da simetria das vibrações e tons sagrados e que declarou guerra contra à mente subconsciente do homem ocidental. Em um artigo intitulado "Musical Cult Control", Dr. Leonard Horowitz escreve: "A característica desta indústria musical é que, ao expor a população a essa freqüência, ela passa a apresentar mais agressividade, agitação psicossocial e sofrimento emocional, que predispõe as pessoas a doença física." Você apenas tem que sair na rua e dar uma olhada ao redor. O que você vê? Miúdos da escola, adultos jovens em seu caminho para o trabalho, uma mulher empurrando seu bebê em um carrinho de bebê, um homem passeando com seu cachorro - e o que todos eles têm em comum? iPods ou MP3 Players! Engenhoso, não é?

"Se você quiser encontrar os segredos do universo, acho que em termos de energia, freqüência e vibração." Nikola Tesla

Os poderes que estão reduzindo com sucesso as vibrações não só a geração mais jovem, mas o resto de nós também. Estas freqüências destrutivas arrastam os pensamentos para interrupção, desarmonia e desunião. Além disso, eles também estimulam o órgão de controle do corpo - o cérebro - em ressonância desarmônica, que em última análise cria doença e da guerra.

A diferença entre 432 Hz e 440 Hz. Ouvi-lo, compreendê-lo



"Esta freqüência antinatural padrão tuning (440 Hz), retirado da simetria das vibrações e tons sagrados, declarou guerra contra a mente subconsciente do homem ocidental - LC Vincent

O Poder Oculto da Freqüência Universal e Vibração

Freqüência e vibração são extremamente importantes e têm um poder ainda desconhecido em nossas vidas, nossa saúde, nossa sociedade e nosso mundo. A ciência da Cymatics (ou seja, o estudo do som visível e vibração) prova que freqüência e vibração são as chaves mestras e a base organizacional para a criação de toda a matéria e vida neste planeta. Quando as ondas de som se movem através de um meio físico (areia, ar, água, etc), estruturas são criadas pelas ondas sonoras que passam por esse meio particular.

Para entender melhor o poder de freqüência de som, assista ao vídeo incrível abaixo:




"Se alguém deseja saber se um reino é bem governado, se sua moral são bons ou maus, a qualidade de sua música vai fornecer a resposta." Confúcio

A música tem um poder oculto para afetar as nossas mentes, nossos corpos, os nossos pensamentos e nossa sociedade. Quando a música é baseada em um padrão de afinacão propositadamente removidos dos harmônicos naturais encontrados na natureza, o resultado final pode ser o envenenamento psíquico da mente da humanidade. Como Kymatica Documentário diz, o conhecimento redescoberto da ciência do som mostra que o som é algo mais do que meros sinais vibratórios, não só o som interage com vida, mas a sustenta e a desenvolve. Ele atua como um canal de intenção consciente entre as pessoas, sociedades e civilizações inteiras.

http://www.whydontyoutrythis.com/2013/08/440hz-music-conspiracy-to-detune-good-vibrations-from-natural-432hz.html



domingo, 17 de abril de 2016

E o Brasil segue em frente!


Eu fui PT



"Eu fui PT
Empunhei bandeira, colei adesivos.
Fiz campanha, fui a comícios, usei broches que eu mesmo comprei.
Sei de cor o jingles das campanhas de Lula
Me irritei com as seguidas derrotas
Gritei fora Collor, fora FHC e até fora Globo 
Chamei o plano real de golpe
Falei que o “bolsa escola” era forma do governo comprar voto dos mais pobres.
Eu fui PT por que tinha que ser
Eu sou trabalhador, e não democrata, nem liberal, nem comunista
Então o partido do Trabalhador era o lugar do cara que teve que trabalhar pra pagar a faculdade, e sabia que teria que continuar trabalhando duro pra comprar sua casa, pra pagar seu carro, pagar suas viagens.
Eu fui PT por ideologia e não fisiologia.
Não ganhei um centavo, não viajei de graça, não estudei de graça, e nem acho graça nas coisas de graça.
Eu nunca achei golpe o pedido de impeachment de Collor, nem os diversos pedidos manejados contra Itamar ou FHC.
A constituição atribuiu a representantes eleitos pelo povo a função de processar e julgar o presidente, e eu acho isso extremamente democrático.
Eu fui PT
E no ano de 2002 enviei cartões de Natal aos meus queridos amigos com a frase: 
“A Esperança venceu o medo!” Eu estava trabalhando na madrugada daquele natal!
Eu fui PT,
E se as redes sociais existissem naquela época, eu compartilharia textos não de Jean Wyllys, ou Jandira, por que eu li Hélio Bicudo, Cristovam Buarque, Fernando Gabeira, eles não são mais PT
Fui PT até quando deu pra ser. Até o dia que o “T”de trabalhador foi substituído pelo “T”de trapaça, de trambique. Por que não de Traição.
O partido dos trabalhadores se agarrou ao poder, e abraçou Renan, Sarney, Collor e até o Maluf, criou fantasias e contou mentiras, soltou a mão de pessoas honestas e sérias, e foi aí que deixei de ser PT.
Eu deixei de ser PT, e me surpreendo com você
Que contesta o fato de Cunha ser o condutor do impeachment
Mas jamais contestou o fato dele ser um dos elos da aliança entre o governo e o PMDB
Eu deixei de ser PT, e me decepciono com você
Que acusa Temer de ser golpista e bandido, 
Mas jamais contestou o fato dele ser, desde o primeiro mandato, o vice presidente escolhido por Dilma
Eu deixei de ser PT, e me assusto com você
Que ao ouvir uma gravação não comenta o conteúdo, simplesmente afirma que escuta foi ilegal.
Que diante de uma delação pautada em provas, limita-se a falar em vazamento seletivo.
Que de frente a evidências de fraude, corrupção e tantos crimes, ataca a imprensa, a polícia e o Juiz.
Eu deixei de ser PT, e me envergonho de você
Que aplaude políticos processados, julgados e condenados que entram de punho erguidos na cadeia como se fossem vencedores e não ladrões
Que afirma que o mensalão não existiu, que não há escândalo da Petrobras, que não é dono do sítio, nem do apartamento.... Que nunca soube de nada.
Que afirma que não há crime em uma prática absolutamente ilícita só por que ela já foi feita por outros.
Eu deixei de ser PT, e me incomodo com você
Que vai as manifestações da CUT cheias de balões, camisetas vermelhas, e enormes palcos, tendas e militantes pagos, tudo custeado com dinheiro obrigatoriamente sacado dos salários de trabalhadores todos os anos com o nome de imposto sindical.
Eu deixei de ser PT, e não entendo você
Que fala em defesa da democracia, e afirma que pode ser golpe uma decisão de um congresso eleito pelo povo.
Que fala em voto livre, mas aceita a compra parlamentares com cargos e dinheiro
Eu deixei de ser partido, continuo trabalhador... e você?"
Márcio Augusto Costa - Brasília DF 15/03/16