"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica - poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias. " Deepak Chopra

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Posse do Conselho Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do RN

Na manhã desta quarta-feira, 29, no Auditório da Secretaria de Administração do Estado do RN, tomaram posse os membros que compõem o primeiro Conselho Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. 

O Conselho está vinculado a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania/Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, trata-se de um órgão colegiado, de composição paritária, de caráter permanente, consultivo e propositivo tendo como finalidade propor, em âmbito estadual, políticas de promoção da Igualdade Racial com ênfase na população negra, quilombola, cigana, indígena, religiosos de matriz africana, judeus, árabes e palestinos.

Além de combater o racismo, preconceito o CONSEPIR tem por missão propor alternativas para superar as desigualdades raciais, tanto do ponto de vista econômico, quanto social, político e cultural, ampliando assim, os processos de controle social sobre as referidas políticas.

Na solenidade estavam presentes Jorge Arruda, representante do gestor de Promoção da Igualdade Racial de Pernambuco, Elizabeth Lima, coordenadora estadual da COEPPIR/RN, representantes de Secretarias do Governo Estadual/RN e da sociedade civil.

O Conselho está formado por representantes governamental e da sociedade civil, entre os quais:

Zacarias Anselmo – Secretaria de Educação do Estado;
Moisés Kassulupongo – Fórum da Diversidade Étnico-Racial;
Manoel Batista e Sandra Silva – Comunidades Quilombolas;
Giselma Maria do Sacramento – Fórum Juventude Negra;
Alexssandro Chagas – Fórum de Juventude de Matriz Africana;
Moema Brito – Kilombo;
Rogério de Ogum – Cenarab;
Luciene de Oyá – Fórum Entidades Negras;
Gilberto Garcia – Segmento Cigano;
Jair Campos – Fórum Religioso de Matriz Africana;
Elizabeth Lima – COEPPIR;
Luiz Assunção – UFRN;
Representante do Ministério Público Estadual;

http://lassuncao.blogspot.com/2010/12/posse-do-conselho-estadual-de-politicas.html

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Encontro de Saúde e Religiosidade Afro no Maranhão



































No último dia 11 de dezembro, no município de Itapecuru - mirim, Maranhão, foi realizada a última etapa dos Encontros Regionais de Saúde e Religiosidade Afro. Os encontros, compõem do plano de Ação da Secretaria Extraórdinária de Igualdade Racial do Maranhão (SEIR) junto as comunidades quilombolas e com foco na saúde do povo do axé. O evento foi marcado pelo lançamento de uma cartilha produto destas intervenções.
A cartilha apresenta um pouco do conhecimento tradicional sobre as formas e modos de fazer de comunidades remanescentes de quilombo em relação a saúde.
As ações nos municípios foram mediadas por líderes religiosos de matriz africana convidados pela SEIR que compilaram procedimentos terapeuticos mais comuns e seu respectivo tratamento.
Pressão Arterial - chá da casca de alho
Hepatite - água do palmito da macaúba
Rins - Chá de açoíta cavalo
Úlcera - sumo da folha de boldo
Próstata - água da fava do juncá socada
Inflamação - chá de folha de xanana
Gastrite - água de raiz de jussara (açaí)
Hérnia - breu branco, chocalho de cascavel em infusão em tiquira
Estas foram algumas receitas registradas que compõem a cartilha.

Os agentes de saúde do PSF, das próprias comunidades, entendem que há a necessidade dos agentes de saúde pública camiharem juntos com os saberes tradicionais das comunidades. E ainda, que esse patrimônio cultural e imaterial brasileiro deve ser preservado a todo custo.
O encontro de Itapecuru- MA, foi marcado por dois momentos. Pela manhã a cartilha foi avalida pelos seus próprios autores (comunidade) e enriquecida com outros saberes. À tarde foi realizada uma roda de conversa sobre propostas para preservação e pontencialização desse rico e vasto acervo de saberes de medicina tradicional.
Interpelados sobre o tema os remanescentes de quilombo presentes apresentaram algumas propostas:
1 - Troca de ervas e hortas comunitárias
Reconhecem que o crescimento urbano está provocando uma rarefação de espaços naturais impondo a perda de algumas espécies, assim, a troca de ervas além de provocar o intercâmbio cultural cria um ação de preservação ambiental
2 - Despertar nos mais jovens o interesse pela medicina tradicional através de oficinas de repasse desses saberes e a incentivação de agentes de saúde mirins na própria comunidade.
3 - Resgatar a história dos quilombos, dando foco a necessidade de preservação a elevação da auto-estima e sentido de pertença como detentores desse patrimônio da história e cultura brasileira
Líderes Religiosos envolvidos
Toy Voduno Miguel de Vonderegy - FERMA, CEN
Voduno Lindomar de Badé - FERMA, Rede Afro brasileira de religiões e saúde
Iaylorixa Luzimar da Oxum - Casa Fanti - Ashanti
Vodunsi Neto de Azile - CEN/MA, FERMA

http://falavodunsi.blogspot.com/2010/12/saude-e-religiosidade-de-matriz.html

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

RESOLUÇÃO DA ONU E A PERSEGUIÇÃO AOS BAHÁ'ÍS NO IRÃ em 21/12/2010




Em 5 de março de 2008, Mahvash Sabet – uma professora, mãe de dois filhos – foi detida após ter sido convocada para tratar de uma questão referente a um sepultamento bahá’í na cidade de Masshad. Ela encontra-se presa desde então – tendo passado os primeiros 175 dias em confinamento solitário.

Dois meses depois, em 14 de maio, outros seis proeminentes membros da comunidade Bahá’í do Irã foram encarcerados na notória prisão de Evin, em Teerã, depois de detidos em uma operação que invadiu repentinamente duas casas nas primeiras horas da manhã, numa varredura assustadoramente semelhante ao episódio ocorrido no início dos anos de 1980, quando numerosos líderes bahá’ís foram sumariamente capturados e mortos.

Os seis são Fariba Kamalabadi, Jamaloddin Khanjani, Afif Naeimi, Saeid Rezaie, Behrouz Tavakkoli, e Vahid Tizfahm.

Esses cinco homens e duas mulheres eram todos membros de um grupo de âmbito nacional, conhecido como “Yaran-i-Iran” – ou “Amigos no Irã”.

Cerca de 20 meses depois de serem aprisionados sem acusação, iniciou-se um julgamento em 12 de janeiro de 2010. Durante todo o tempo de espera por justiça, os sete mal tiveram uma hora de acesso aos seus advogados e foram submetidos a tratamentos e privações terríveis, incluindo sofrimento físico e psicológico.

Os sete foram acusados, entre outras coisas, de espionagem, propaganda contra a República Islâmica, e estabelecimento de uma administração ilegal – acusações que foram todas completa e categoricamente rejeitadas pelos réus.

Entretanto, seu crime nada mais é que o fato de serem membros da Fé Bahá’í, uma religião que tem sido o foco de uma perseguição sistemática patrocinada pelo governo do Irã desde a revolução de 1979.

De fato, o julgamento dos sete foi de certo modo o julgamento de toda uma comunidade de mais de 300.000 bahá’ís iranianos. No decorrer dos últimos 30 anos, mais de 200 bahá’ís foram mortos, centenas de outros aprisionados, e milhares privados de emprego, educação e da liberdade de culto.

As acusações contra os sete refletem, além disso, os tipos de falsas acusações e a campanha de desinformação que o regime do Irã tem usado para humilhar e difamar os bahá’ís há décadas.

O julgamento dos sete líderes bahá’ís terminou em 14 de junho de 2010, depois de seis breves seções, caracterizadas pela ausência do devido processo legal.

A sentença inicial de 20 anos de prisão para cada um dos réus foi recebida com ultraje e condenação por todo o mundo. Os termos de prisão foram posteriormente reduzidos para 10 anos, de acordo com informações fornecidas oralmente aos advogados. 


Comunidade Bahá'í Internacional se manifesta em carta ao Poder Judiciário iraniano

Em uma manifestação contra a injusta sentença de 10 anos de prisão das sete lideranças bahá'ís, a Comunidade Internacional Bahá'í enviou uma carta ao chefe do Poder Judiciário iraniano, Ayatollah Mohammad Sadeq Larijani, no dia 7 de dezembro, questionando a falta de provas das acusações que motivaram as prisões e o tratamento dado aos prisioneiros de consciência.

carta faz um apelo ao chefe do judiciário iraniano para que os bahá'ís sejam tratados com a mesma dignidade que o governo iraniano pede que as minorias muçulmanas sejam tratadas em outros países.

Em apoio aos bahá'ís no Irã, a Comunidade Bahá'í do Brasil acaba de lançar uma campanha de mobilização nacional de apoio às sete lideranças bahá'ís, presas no Irã desde 2008. Você pode participar divulgando a carta traduzida e a campanha das seguintes formas:

  • Divulgue a carta aberta na mídia, aos líderes comunitários, autoridades locais, formadores de opinião, acadêmicos, organizações não-governamentais, artistas, bem como indivíduos de proeminência que possam fazer pronunciamentos públicos sobre as injustiças cometidas contra os bahá'ís no Irã;
  • Divulgue esta campanha no Facebook e no Twitter, e compartilhe com seus contatos;
  • Escreva em um tom cordial cartas de protesto para a Embaixada do Irã no Brasil e ao Chefe do Poder Judiciário iraniano solicitando a imediata libertação dos sete bahá'ís (veja os endereços abaixo);
  • Envie uma carta em tom cordial para o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, solicitando que o governo brasileiro utilize suas boas relações com o Irã para interceder pela imediata libertação desses sete bahá'ís (veja o endereço abaixo);

Para compartilhar suas ações, envie uma cópia de suas cartas e links de postagens nas redes sociais para sasg@bahai.org.br.

A Assessoria de Comunicação da Comunidade Bahá'í do Brasil conta com colaboradores em diversos estados que podem fornecer mais informações sobre esta iniciativa. Entre em contato para localizar alguém mais próximo: ascom@bahai.org.br.


Clique aqui para fazer o download da carta enviada ao chefe do Judiciário Iraniano.
http://www.bahai.org.br/secext/arquivos/13-12-2010/carta_aberta_Mohammad_Larijani_1210_2.pdf

Veja abaixo os endereços para envio das cartas:

Chefe do Poder Judiciário Iraniano: Ayatollah Mohammad Sadeq Larijani
E-mail: info@dadiran.ir
Escreva na linha de assunto: Attention Ayatollah Mohammad Sadeq Larijani

Embaixador do Irã: Sr. Mohsen Shaterzadeh Yazdi
End: SES Av. das Nações - Qd 809 - Lote 31 - Brasília-DF - CEP: 70421-900
Tel.: (61) 3443 0426 | 3244 9640
E-mail: shaerzadeh@mfa.gov.ir | shaterzadeh@irembassybr.com | mohsen.shaterzadeh@yahoo.com

Embaixada da República Islâmica do Irã
End.: SES Av. Das Nações, QD 809 Lote 31 - Brasília-DF - CEP 70421-900,
Tel.: (61) 3242 6733, fax: (61) 3244 9640
E-mail: webiran@webiran.org.br

Ministério das Relações ExterioresA/c: Ministro Celso Amorim
End.: Palácio do Itamaraty-Esplanada dos Ministérios - Bloco H - Brasília-DF - CEP: 70170-900
E-mail: clamorim@mre.gov.br



O que é a Fé Bahá'í
É uma religião mundial, independente, com suas próprias leis e escrituras sagradas, surgida na antiga Pérsia, atual Irã em 1844. A Fé Bahá’í foi fundada por Bahá’u’lláh, título de Mirzá Husayn Ali (1817-1892) e não possui dogmas, rituais, clero ou sacerdócio.


Onde Estamos
A Comunidade Bahá’í com aproximadamente 7 milhões de adeptos, é a segunda religião mais difundida no mundo, superada apenas pelo Cristianismo, conforme afirma a Enciclopédia Britânica. Os bahá’ís residem em 178 países do mundo, em praticamente todos os territórios e ilhas do globo.

.. e no Brasil
A Comunidade Bahá’í está estabelecida no Brasil desde fevereiro de 1921, com a vinda da Sra. Leonora Holsapple Armstrong. A Sra. Armstrong faleceu na Bahia, em 1980 e desde aquele ano, Assembléias Legislativas Estaduais e Câmaras Municipais de Vereadores de diversas capitais e cidades brasileiras a têm homenageado concedendo seu nome a praças e logradouros públicos, dentre estas, citamos Manaus, Vitória, Natal, Rolândia, Londrina, Juiz de Fora. Hoje os bahá’ís formam um contingente de aproximadamente 57.000 pessoas, das mais diversas classes sociais, culturais e econômicas, residentes em aproximadamente 1.215 cidades e municípios brasileiros, em todas as regiões.

A Comunidade Bahá’í é reconhecida no Brasil por estabelecer projetos de desenvolvimento econômico e social em diversas regiões do país.


O que ensina a Fé Bahá'í?
A Unidade da Humanidade: "... hoje todos os horizontes do mundo estão iluminados com a luz da unidade... fomos criados para levar avante uma civilização em constante evolução..."
A livre e independente busca da verdade: "A luz é boa, não importa em que lâmpada brilhe... uma flor é bela, não importa em que jardim floresça..."
A eliminação de todas as formas de preconceitos e discriminação: "...somos as folhas e os ramos de uma mesma árvore... as gotas de um único mar..." 

A igualdade de direitos e oportunidades para o homem e a mulher: "A humanidade assemelha-se a um pássaro, uma asa é o homem e a outra, a mulher. O pássaro não pode alçar vôo sem o equilíbrio dessas duas asas..."

A harmonia essencial entre a religião, a razão e a ciência: "A verdade é uma só e é indivisível... o progresso da humanidade depende desses fatores..."
Educação compulsória universal "O homem é uma mina rica em jóias de inestimável valor, a educação, tão somente, poderá fazê-la revelar seus tesouros..."
A revelação divina é progressiva: "Deus é um, a religião é uma, a humanidade é uma... o objetivo da criação humana é conhecer e adorar a Deus... Todas as religiões provêm de um mesmo Deus..."
(Todas as frases entre aspas citadas nesta página, são Sagradas Escrituras Bahá'ís)


Deseja conhecer mais sobre a Fé Bahá’í?


Introdução ao Pensamento de Bahá'u'lláh http://www.bahai.org.br/nsabr/
(português)

The Bahá'í World http://www.bahai.org/
(inglês)

E-mail:

info@bahai.org.br
Nosso
endereço


Comunidade Bahá’í do Brasil
Caixa Postal: 7035
CEP 71619-970, Brasília, DF
Tel: (0XX61) 3364-3594
Fax: (0XX61) 3364-3470

Conhecendo o Islam

http://www.eutenhofe.org.br/artigos/conhecendo-o-islam


por Sami Armed Isbelle
alcorao
A palavra “Islam” significa submissão voluntária à vontade de Deus, e, para nós, é a mesma religião que Deus, o Altíssimo, revelou desde o primeiro homem, Adão, até o último profeta, Muhammad (que a bênção e a paz de Deus estejam sobre eles), a fim de orientar os seres humanos para o caminho escolhido por Ele, com o qual o ser humano teria êxito nesta vida e na outra. A forma final dessa mensagem veio através deste último mensageiro para toda a humanidade por meio do Alcorão, que acreditamos ser o último Livro revelado por Deus.


Faz parte da fé do muçulmano crer num Deus Único, nos anjos por Ele criados, nos Livros por Ele revelados, nos profetas e mensageiros por Ele enviados, no Dia do Juízo Final e no Decreto Divino, seja ele bom ou mau (predestinação). Faz parte das suas práticas as cinco orações diárias, o jejum no mês de Ramadan, o pagamento do zakát (tributo anual destinado aos mais necessitados) e a peregrinação a Kaaba, que fica localizada na cidade de Makka, na Arábia Saudita.
O Islam não se limita à parte espiritual ou de simples adoração a Deus na mesquita (templo religioso dos muçulmanos), mas também estabelece um sistema de vida completo que abrange tudo o que diz respeito ao ser humano. Logo, o Islam possui o seu próprio sistema político, econômico, jurídico, penal, social, moral etc. Nós não separamos a vida cotidiana do aspecto religioso. Acreditamos que é um todo indivisível, já que, se refletirmos e analisarmos de uma forma macro, todas as coisas estão interligadas.
Cremos que cada ação que realizamos no nosso dia a dia pode se transformar em uma adoração a Deus, desde que preencha dois critérios: que seja lícita e que seja intencionada ao agrado de Deus. Portanto, o simples ato de comer, que fazemos diariamente de forma mecânica, caso eu me intencione alimentar a fim de ficar saudável, podendo assim desempenhar meu papel de muçulmano de forma mais eficaz, e sendo um alimento lícito para consumo, isso se transforma em uma adoração a Deus.     
Deverei agir dentro dos mais sublimes aspectos morais para com os meus semelhantes, buscando auxiliá-los e amá-los em nome de Deus, pois, na visão islâmica, todos somos irmãos na humanidade, por sermos descendentes da mesma criatura, o primeiro homem, Adão (que a bênção e a paz de Deus esteja sobre ele). Nesse sentido, todos somos iguais perante Deus, que nos criou. E o que nos diferencia é o grau de temência a Ele, ao buscar aplicar os Seus ensinamentos.
Por fim, o Islam é a religião da paz, e o verdadeiro muçulmano é aquele que procura seguir as determinações de Deus, buscando alcançar a paz e a tranquilidade com seu Criador, consigo mesmo e com tudo que o cerca.  


(*) Sami Armed Isbelle é Diretor do Departamento Educacional da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro – SBMRJ

Os voduns reais de São Luís

http://lassuncao.blogspot.com/2010/12/os-voduns-reais-de-sao-luis.html


Será lançando hoje em São Luís, Maranhão, o filme documentário “Casa das Minas: os voduns reais de São Luís”. O filme, com 85 minutos, foi produzido pelos cineastas suíços Edith Leimgruber, Hili Leimgruber e Jens Woernle, procurando retratar o universo religioso da Casa das Minas, casa de culto de origem daomeana (jeje), onde são cultuados os voduns. A Casa das Minas foi fundada em 1796, por membros da família real do Daomei, vindos como escravos.

As mulheres no governo Dilma!


Luiz Inácio Lula da Silva não poderá usar sua emblemática frase “nunca antes na história deste país...” em relação às mulheres no comando dos ministérios. Cabe a Dilma Rousseff enaltecer o recorde feminino no primeiro escalão. Nesta quarta-feira (22), ela finalizou a definição dos responsáveis por cada uma das 37 pastas, secretarias ou órgãos com status ministerial. Elas ocuparão 9 postos. Antes, a marca pertencia a Lula no primeiro mandato: cinco ministras.
G1 levantou o número de ministras nas equipes montadas para posse de todos os presidentes da República desde a abertura democrática. A reportagem também traçou o perfil do primeiro escalão de Dilma. A média de idade é de 56 anos. Direito é o curso superior mais comum. E São Paulo é o estado com mais representantes.
Miriam Belchior, Tereza Campello, Izabella Teixeira, Ideli Salvati, Luiza de Bairros, Ana de Hollanda, Maria do Rosário, Iriny Lopes e Helena Chagas são as mulheres escolhidas por Dilma para o primeiro escalãoMiriam Belchior, Tereza Campello, Izabella Teixeira, Ideli Salvati, Luiza de Bairros, Ana de Hollanda, Maria do Rosário, Iriny Lopes e Helena Chagas são as mulheres escolhidas por Dilma para o primeiro escalão (Foto: Arquivo/G1 Arquivo/Agência Brasil e Arquivo/Divulgação)

Ao longo da história recente, a cota de mulheres sofreu oscilações. O segundo mandato de Lula (2003-2006) começou com 4 mulheres no primeiro escalão, mantendo um espaço maior que o reservado em governos anteriores. No primeiro mandato, Fernando Henrique (1995-1998) entregou apenas o Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo para uma mulher: Dorothéa Werneck. Quatro anos depois, tomou posse para o segundo mandato (1999-2002) com três ministras em sua equipe: Anadyr de Mendonça Rodrigues (Controladoria-Geral da União), Cláudia Maria Costin (Secretaria de Estado de Administração e do Patrimônio) e Wanda Engel Aduan (Secretaria de Estado de Assistência Social).
No governo de Itamar Franco (1992-1994), a única mulher a assumir de fato uma pasta foi Luiza Erundina, que comandou a Secretaria de Administração Federal por 5 meses após a saída de Osiris de Azevedo. Já Fernando Collor (1990-1992) escolheu 2 mulheres. No Ministério da Ação Social assumiu Margarida Maia Procópio, enquanto no Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento esteve Zélia Cardoso de Mello.

Ministros de Dilma
Entre os 37 ministros escolhidos pela presidente eleita Dilma Rousseff, 11 deles têm curso superior em Direito. A segunda formação mais comum é a de Economia, com cinco nomes, entre eles o ministro da Economia e o presidente do Banco Central.
Além disso, a maior parte da equipe ministerial nasceu no estado de São Paulo. Ao todo, 11 nasceram em cidades paulistas, sendo cinco na capital. Outros cinco ministros são gaúchos. A média de idade dos 37 ocupantes da equipe da petista é de 56 anos.
Pedro Novais (PMDB-MA), que foi escolhido para comandar o Ministério do Turismo, é o mais velho do grupo, com 80 anos. Outro peemedebista do Maranhão, Edison Lobão, que voltará a ocupar o cargo de ministro de Minas e Energia, tem 74.
Os dois mais jovens da equipe de Dilma são Alexandre Padilha (PT) e Orlando Silva Jr. (PC do B). Ambos têm 39 anos. No entanto Padilha é alguns meses mais novo. O futuro ministro da Saúde nasceu em setembro de 1971, e o do Esporte, em maio do mesmo ano.
Confira a divisão por partidos e veja os perfis:

PT
Alexandre Padilha (PT) - Ministério da Saúde
Fernando Pimentel (PT) - Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
Fernando Haddad (PT) - Educação
Aloizio Mercadante (PT) - Ciência e Tecnologia
Ideli Salvatti (PT-SC) - Ministério da Pesca
Maria do Rosário (PT-RS) - Secretaria de Direitos Humanos
Paulo Bernardo (PT-PR) - Ministério das Comunicações
Antonio Palocci (PT-SP) - Casa Civil da Presidência
Gilberto Carvalho (PT-SP) - Secretaria-Geral da Presidência
José Eduardo Cardozo (PT-SP) - Ministério da Justiça
Guido Mantega (PT-SP) - Ministério da Fazenda
Miriam Belchior (PT-SP) - Ministério do Planejamento
Luiza Helena de Bairros (PT) - Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial
Tereza Campello (PT) - Ministério do Desenvolvimento Social
Luiz Sérgio (PT-RJ) - Secretaria de Relações Institucionais
Afonso Bandeira Florence (PT-BA) - Desenvolvimento Agrário
Iriny Lopes (PT-ES) - Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres
PMDB
Nelson Jobim (PMDB) - Ministério da Defesa
Edison Lobão (PMDB-MA) - Ministério das Minas e Energia
Wagner Rossi (PMDB-SP) - Ministério da Agricultura
Pedro Novais (PMDB-MA) - Ministério do Turismo
Garibaldi Alves (PMDB-RN) - Ministério da Previdência
Moreira Franco (PMDB-RJ) - Secretaria de Assuntos Estratégicos
PSB
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) - Integração Nacional
Leônidas Cristino (PSB) - Secretaria Especial de Portos
PDT
Carlos Lupi (PDT) - Trabalho
PR
Alfredo Nascimento (PR-AM) - Ministério dos Transportes
PP
Mário Negromonte (PP) - Ministério das Cidades
PC do B
Orlando Silva Jr. (PC do B) - Ministério dos Esportes
Sem partido
Izabella Teixeira - Meio Ambiente
Ana de Hollanda - Ministério da Cultura
Helena Chagas - Secretaria de Comunicação Social
Alexandre Tombini - presidência do Banco Central
Luís Inácio de Lucena Adams - Advocacia Geral da União (AGU)
Antonio Patriota - Relações Exteriores
General José Elito Carvalho - Gabinete de Segurança Institucional
Jorge Hage - Controladoria-Geral da União (CGU)