"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica, poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias." Deepak Chopra

domingo, 17 de janeiro de 2010

Igreja e Nazismo


Uol notícias
17/01/2010 - 17h51
Sombra de Pio XII marca visita de Bento XVI à sinagoga de Roma
A sombra de Pio XII, o pontífice acusado de silenciar diante do Holocausto nazista, marcou neste domingo a visita à sinagoga de Roma do papa Bento XVI, que defendeu a ajuda do Vaticano aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial e pediu "diálogo" e "aceitação" às duas religiões.

A primeira visita do Papa alemão ao templo judeu romano, seguindo os passos da histórica visita de 1986 de João Paulo II, começou com uma homenagem à placa que lembra a deportação de milhares de judeus de Roma para os campos de extermínio nazistas.

"Como esquecer seus rostos, suas lágrimas, o desespero de homens, mulheres e crianças?", disse o Papa durante seu discurso de cerca de meia hora no templo do antigo gueto judeu, diante de alguns sobreviventes.

"A Sede Apostólica também socorreu, com frequência de maneira oculta e discreta", disse sem chegar a mencionar diretamente a polêmica figura de Pio XII (1939-1958), que os historiadores acusam de passividade ante o Holocausto nazista e que o Papa alemão quer beatificar.

Em um gesto incomum diante das diversas autoridades religiosas e de personalidades políticas nacionais e locais, o presidente da Comunidade Judaica de Roma, Riccardo Pacifici, pediu ao Papa que abra os arquivos sobre o controverso pontífice Pio XII.

A abertura dos arquivos, que são secretos a partir de 1939, depende pessoalmente de Bento XVI, que pode autorizar sua consulta, o que até agora não fez, ao que parece, por respeito àquelas pessoas que ainda estão vivas e pelo elevado número de documentos que devem ser classificados.

"O silêncio de Pio XII diante do Holocausto ainda nos machuca, é algo que ainda falta", disse Pacifici, ao abordar um dos temas de maior divergência entre católicos e judeus, depois que ele o Papa assinou em dezembro o decreto que confirma as "virtudes heróicas" de Pio XII.

"Com a esperança de alcançar um ponto de vista compartilhado, desejamos com todo respeito que os historiadores tenham acesso aos arquivos do Vaticano sobre este período e sobre os eventos posteriores à queda da Alemanha nazista", pediu Pacifici.

Vários líderes religiosos judeus pediram que seja paralisado o processo de beatificação de Pio XII, pelo menos por uma geração, já "que fere os sobreviventes ainda vivos".

"Aprecio a reação do Papa, creio que entende nossa posição", comentou depois Pacifici, que reconheceu o papel desempenhado por vários católicos e religiosos para salvar os judeus.

"Se estou aqui, neste templo, é porque meu pai e meu tio encontraram refúgio no Convento das Irmãs de Santa Marta, em Florença", lembrou, visivelmente emocionado.

Bento XVI insistiu sobre o "patrimônio espiritual comum" entre judeus e católicos, que "oram para o mesmo Senhor, têm as mesmas raízes, mas que se desconhecem uns aos outros".

Durante sua terceira visita a uma sinagoga, depois das realizadas em 2008, em Nova York, e em Colônia, em 2005, o Papa voltou a pedir o "diálogo" entre as duas religiões e condenou firmemente "o antissemitismo" e o "antijudaísmo".

"Que essas duas pragas sejam curadas para sempre!", clamou.

Também confirmou que o Concílio Vaticano II (1962-65) e a adoção do documento "Nostra Aetate", com o qual a Igreja pôs fim "ao ensino do desprezo" pelos judeus, acusados de deicidas durante dois milênios, são "pontos firmes" entre as religiões judaica e cristã.

A cerimônia, que foi acompanhada por fortes medidas de segurança, dedicou um minuto de silêncio às vítimas do terremoto que devastou o Haiti. 


Poucas horas antes, durante a bênção do Angelus deste domingo, Bento XVI rezou pelo Haiti e afirmou que a Igreja "acompanha e estimula os esforços de diversas organizações de caridade" nesse país.



PS:
Será possível esquecer o passado de horror que a Igreja construiu para todos os povos? O discurso conciliador do Papa Bento XVI conseguirá apagar o passado da Igreja e o seu próprio passado como soldado nazista??? Esta questão é, no mínimo curiosa.
Tomara que possamos passar uma borracha em tudo e recomeçar. Mas após as palavras de alguns cléricos atualmente, dificilmente a Igreja parará de espalhar o Preconceito Religioso e a Intolerância pelo mundo.
Para aqueles que se interessam pelo assunto, vejam este link:

http://www.youtube.com/watch?v=Jr5Q5Volv88

5 comentários:

Stefano disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Jr5Q5Volv88
veja!

Obaositala disse...

Stefano, as imagens são fortes, incontestáveis, e marcaram a história. Essas fotos jamais poderão ser negadas pela Igreja. Ela pode construir um discurso falacioso, mas as fotos estarão sempre lá, maculando a Pureza católica.
Tomara que as próximas gerações possam desenvolver melhor o discernimento, para impedir que tudo isso ocorra de novo.
Tomara a Imprensa se torne mais honesta, para falar a verdade, esclarecer e possibilitar que o povo olhe a verdade.
Tomara!

Stefano disse...

exato!... ah.. divulgue o video no blog!

Obaositala disse...

Já divulguei no twitter, e verei se posso colocar no Blog. Que ninguém esqueça o que ocorreu, para que jamais ocorra de novo.

Stefano disse...

ah... dizer ke só os judeus foram vitimas de Hitler é uma falsificação grosseira da historia