"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica - poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias. " Deepak Chopra

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

A contribuição do Taoísmo à paz das religiões



No próximo dia 8 de fevereiro de 2011, o Fórum Mundial de Teologia e Libertaçãoirá celebrar, dentro do Fórum Social Mundial, em Dakar, no Senegal, uma oficina sobre "Religiões e Paz: A visão/teologia necessária para tornar possível uma Aliança de Civilizações e de Religiões para o bem comum da humanidade e a vida no planeta". A organização da oficina é da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo - ASETT/EATWOT.
Para facilitar a participação e o debate, a EATWOT disponibilizou as conferências resumidas de vários especialistas que serão apresentadas sobre a temática proposta na oficina do ano que vem.
O sítio do IHU, em suas Notícias do Dia, está disponibilizando as principais conferências a respeito da temática. Veja abaixo, em "Para ler mais", a lista de textos já publicados.
Publicamos hoje a reflexão de John Cheng Wai-Leung, pesquisador da Faculdade de Teologia Fu Jen, de Taiwan, sobre a contribuição do Taoísmo à teologia do pluralismo religioso. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis o texto.


A contribuição do Taoísmo à paz das religiões

Com relação aos grandes princípios básicos mínimos que seriam necessários para que as nossas sociedades sejam capazes de alcançar uma coexistência pacífica entre as civilizações e as religiões pelo bem da Humanidade e do Planeta, isto é, a admirável sabedoria do Taoísmo, segundo os quatro capítulos taoístas do Guanzi [compilação de pensamentos filosóficos chineses], por exemplo, pode contribuir significativamente da seguinte maneira:
1. O Taoísmo nos ajuda a ser conscientes de que, assim como no próprio Taoísmo, o Tao, o Fundamento Divino ou o Absoluto de toda religião pode ser chamado de "Tudo". Além disso, o próprio universo ou cosmos em que vivemos pode ser chamado de "tudo", um todo que, de fato, foi se dando vitalmente por meio do processo do "Tudo em tudo". Nesse processo, o Tao sai ad extra do seu modo ad intra eterno, para dar nascimento a toda a criação, particularmente os seres humanos. O propósito do Tao ad extra é encher toda a criação com o próprio Tao. Assim como o Tao dá vida a todas as coisas e as leva à fruição, assim também faz os Fundamentos Divinos em outras religiões. Em outras palavras: o processo do Tao ad intra, do Tao ad extra e do cumprimento do Tao "ad extra" pode nos ajudar a repensar em uma jornada semelhante dos Fundamentos Divinos, de três etapas, nas outras religiões. Esses Fundamentos Divinos se tornariam pertinentemente dinâmicos, processuais e vivos, aguardando a eventual descoberta e resposta à sua saída ad extra pelo bem-estar de todos.
2. Por outro lado, o Taoísmo nos ajuda a ser conscientes de que, nesse processo de "Tudo em tudo", o Todo está por todas as partes, "tão fino que nada pode existir dentro dele, tão amplo que nada pode existir além dele". Tal descrição de onipresença pode nos ajudar a apreciar mais a nossa compreensão de vários outros Fundamentos Divinos onipresentes nas outras religiões, como BrahmanPura LuzSer Divino e EnergiaDivina, que rodeiam, abraçam e permeiam tudo por todos os lados.
3. Ao mesmo tempo, o Taoísmo nos ajuda a saber que a cooperação de todos os seres humanos com o onipresente e sempre todo-benevolente Tao (ou Brahman, Pura Luz etc. nas outras religiões) é indispensável para o Bem Comum de tudo. Alcançando toda a criação, o Tao precisa da cooperação interativa de todos os seres humanos para ajudá-lo a alcançar seu objetivo do "tudo em tudo". A cooperação específica de todos os seres humanos consiste em que eles têm que responder ao onipresente Tao com todo o seu xin(uma palavra que significa mente, vontade, coração, esforço, ao mesmo tempo), esvaziando seu comportamento ou vida virtuosa diária de seus desejos contrários ao Tao. Da mesma forma, os outros Fundamentos Divinos pedem finalmente que as pessoas se esvaziem de todos os seus desejos desordenados egoístas. Tal resposta de autoesvaziamento libertaria as pessoas de qualquer comportamento adverso, pelo bem comum de toda a família humana e do planeta.
4. O Taoísmo nos ajuda a ser conscientes de que a contribuição de cada ser humano é de vital importância no processo do "Tudo em tudo". Por exemplo, em seu autoesvaziamento, um ser humano poderia se encher com o emergente Tao ou Tao Qi. Ele é comparável a grandes luminárias, que fazem brilhar o Tao ou Tao Qi presente dentro de si mesmo, ajudando o Tao a permear e a encher todo o mundo. Da mesma forma, as pessoas nas diferentes religiões – em sua união com seu único Fundamento Divino – ajudariam esses Fundamentos Divinos a expandir ou a encher todo o universo, ajudando-os efetivamente a cumprir seu propósito de alcançar "ad extra" a todos no processo do "Tudo em tudo".
5. O Taoísmo nos ajuda a ser conscientes da grande importância de estar em harmonia uns com os outros. Sendo portadora e irradiadora do Tao Qi, uma pessoa poderia chegar a ser mais querida do que um irmão. Em outras palavras, uma pessoa, comunidade, sociedade ou mundo cheios do Tao podem chegar facilmente a uma coexistência harmoniosa entre diversas civilizações e religiões pelo bem de toda a humanidade e da aldeia global. "O Caminho (Tao) nunca está muito longe. Obtendo-o, as pessoas podem viver. O Caminho nunca se interrompe. Confiando nele, as pessoas se tornam harmoniosas". Como sabemos, o mais alto ideal da cultura chinesa inspirada no Tao é a harmonia. Como o Tao tende a coexistir pacificamente com todos os seres da natureza, o mundo inspirado no Tao fará o mesmo amplamente na coexistência uns com os outros.
6. O Taoísmo nos ajuda a saber que há uma norma eterna para tornar possível uma aliança de civilizações e religiões pelo bem comum de toda a humanidade e do planeta. O Tao, assim como os outros Fundamentos Divinos, está sempre aí e em todas as partes, como a norma eterna e viva para fazer tudo certo para a benção de todo o mundo e do universo inteiro. Aparentemente, a existência de todas as coisas está sujeita a um processo de mudança e, no entanto, dentro desse processo de mudança, há um Tao contrastante e imutável, comparável a outros Fundamentos Divinos. Portanto, o Tao, como conceito já testado pelo tempo para a eterna norma do mundo, pode inspirar outras religiões a seguir confiadamente seus próprios Fundamentos Divinos pelo bem de toda a humanidade e do planeta Terra.

John Cheng Wai-LeungPesquisador da Faculdade de Teologia Fu Jen, Taipei, Taiwan

Nenhum comentário: