"Somos todos viajantes de uma jornada cósmica - poeira de estrelas, girando e dançando nos torvelinhos e redemoinhos do infinito. A vida é eterna. Mas suas expressões são efêmeras, momentâneas, transitórias. " Deepak Chopra

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Ainda sobre o prato do mês: política e religião

Quarta, 20 de outubro de 2010, 08h09
Ronaldo Correia de Brito
Do Recife (PE)
Em meio à disputa pelos votos de evangélicos e católicos, Marina Silva comentou que a tradição religiosa do povo brasileiro deve ser levada em consideração. Talvez ela peça que se considerem os valores religiosos na hora de abordar questões como o aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a adoção de filhos por casais homossexuais, os vínculos entre Igreja e Estado.
Não sei se Marina Silva refere-se apenas à tradição cristã, ou se também considera a cultura religiosa indígena e negra. Católicos e evangélicos não deram nenhum exemplo de respeito pela religião praticada por negros e índios, desde o nosso descobrimento. Jesuítas chegavam ao Brasil com o intuito de evangelizar os "gentios", de transformá-los em cristãos através do batismo, não respeitando o animismo de suas crenças e impondo-lhes conceitos estranhos como o de céu e inferno. Pastores protestantes ainda pregam o evangelho entre remanescentes tribais, sobretudo na Amazônia.
A Igreja Católica sequer reconhecia que índios e negros tivessem alma, que fossem humanos. Isso facultava o direito aos colonizadores de escravizá-los, torturá-los e matá-los. Numa monarquia vinculada ao clero, todo acréscimo de poder do rei significava, igualmente, um incremento do poder da Igreja. E riqueza, muita riqueza. Os católicos, ao contrário dos protestantes, condenavam a usura como pecado, mas nunca deixaram de praticá-la por vias indiretas.
Os padres discriminavam os negros e suas crenças, mesmo quando os convertiam ao catolicismo. Não permitiam o acesso deles ao interior dos templos, obrigando-os a assistirem missa do lado de fora, ou em templos construídos por confrarias de escravos, freqüentados apenas por escravos. Proliferaram as igrejas de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e Pardos, no Brasil colonial. Essas mesmas instituições religiosas que agora demonizam candidatos e partidos com discurso progressista, também demonizam as religiões dos orixás e dos xamãs.
No Recife, no tempo de Gilberto Freyre, a polícia invadia os terreiros onde se praticava as religiões africanas e levava para a delegacia os instrumentos rituais. Nossa propalada liberdade de culto foi sempre claudicante, um apartheid bem disfarçado. Algum candidato apareceu no guia eleitoral, dentro do pegi de um terreiro? Ou se disse filho de Oxalá, Iansã ou Xangô e beijou os ferros de Ogum? É claro que não. Os cultos africanos estão desprestigiados e certamente isso daria pouco voto. É melhor tentar aparecer na romaria de Canindé, no Ceará, em meio aos milhares de romeiros de São Francisco. Felizmente, o padre vetou o candidato: proclamou a Deus o que é de Deus e a César o que é de César.
Tomara que o debate em torno das religiões se prolongue de maneira mais séria e objetiva após o 31 de outubro. Temos uma herança judaico-cristã e não seríamos o povo que somos sem o legado das nações negras. Os índios entram nesse caldo mestiço, ao qual se somaram italianos, japoneses, alemães, sírios, libaneses, franceses, e etc., etc., etc. Mestiçagem de Gilberto Freyre ou antropofagia de Oswald de Andrade? Não importa. Interessa o respeito pela cultura híbrida. E isso se alcança não demonizando crenças e pontos de vista de cada um.
Ronaldo Correia de Brito é médico e escritor. Escreveu FacaLivro dos Homens e Galiléia.
Fale com Ronaldo Correia de Brito: ronaldo_correia@terra.com.br

Nenhum comentário: